RSS

Arquivo da tag: mineiro

Minerim na maia fina

MineirimCarzeduardo comenta com sua esposa, a Bastiana:

– Muié, ricibi uma intimação da Receita Federar. Caí na máia fina!!! Ocê acha que devo comparecê à odiência com o fiscar, de botas e carça de sirviço, pra parecê mais simpre, ou de rôpa de saí, pra passá uma imagi de seriedade?

– Home, vou dizê a mema coisa que minha mãe me falô quando preguntei prela si divia di usá carcinha di renda ô di seda, na noite da núpcia.

– E qué que foi que sua mãe falô?

– Ela falô: Tanto faiz! Ele vai fudê ocê… de quarqué jeito…

 
Deixe um comentário

Publicado por em 11/07/2011 em Humor, Sopa de Tudão

 

Tags: , , , , ,

Profissão do minerim

MineirimQuatro pacientes estão reunidos na sala, com o seu terapeuta.

O terapeuta pede que se apresentem, que digam qual é sua atividade, e comentem, porque a exercem.

O primeiro diz: – Me chamo Francisco, sou médico porque me agrada tratar da saúde e cuidar das pessoas.

– O segundo se apresenta: – Me chamo Angelo. Sou arquiteto porque me preocupa a qualidade de vida das pessoas e como vivem.

– A terceira fala: – Meu nome é Maria e sou lésbica. Sou lésbica porque adoro peitos e bundas femininas e fico louca só de pensar em fazer sexo com mulheres.

– O quarto, um mineirinho, diz:

– Sô Tunico, eu inté gorinha achava qui era pedrêro, mais cabei de discubrí qui sô é Lésbico…

 
Deixe um comentário

Publicado por em 16/06/2011 em Sopa de Tudão

 

Tags: , , , , ,

Causo mineiro

MineirimDois mineiros reconhecidamente considerados “adversários”, um da cidade – o “Coroné” -, e outro caipira do interior – o “Mineirim”, se encontraram na unica barbearia da cidade.

Lá sentados, lado a lado, não trocaram uma só palavra.

Os barbeiros temiam iniciar qualquer conversa, pois poderia descambar para discussão, e o Coroné tinha fama de brabo e só andava armado.

Terminaram a barba de seus clientes, mais ou menos ao mesmo tempo. O barbeiro que atendeu o coroné estendeu o braço para pegar a loção pós-barba e oferecer, no que foi interrompido rapidamente por seu cliente que disse:

– Não, obrigado. A minha esposa vai sentir o cheiro e pensar que eu estive num puteiro.

O outro barbeiro virou-se para o Mineirim:

– E o senhor? – perguntou.

– Uai, popassá, sô! A minha muié num sabe memo como é cheiro de puteiro… Nunca trabaiô pur lá…

(Dizem que a barbearia está fechada até hoje, para reforma).

 
Deixe um comentário

Publicado por em 19/04/2011 em Humor, Sopa de Tudão

 

Tags: , , , ,

Mais uma do mineirim

Mineirinho trabalha num frigorífico. Ele já está lá há anos, e um dia confessa à esposa que tem uma compulsão terrível: uma vontade louca de enfiar o pinto na cortadora de salame.

A mulher sugere que ele vá ver um psicólogo, esses homi que acunseia a gente, mas ele não vai!

Um dia ele chega em casa cabisbaixo. Sua mulher percebe que há algo errado. Pergunta o que foi. Ele responde:

– Lembra que eu comentei cocê que tava com uma vontade danada de meter o pinto na cortadora de salame?

– Oh, não! – diz a mulher – ocê num fêiz isso, fêiz?!

– Sim, eu fiz!

– Meu Deus, o que se assucedeu?

– Fui despedido; pru ôi da rua – responde o marido.

– Mas, e a cortadora de salame?

– Coitada da moça, ela foi despedida tamém.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 13/12/2010 em Sopa de Tudão

 

Tags: , , ,

A birosca do mineiro

Na Birosca do Mineiro

Tinha um mineiro lá pras bandas de Barbacena que tinha uma birosquinha, que ganhou fama nacional e internacional, pois tudo o que você precisasse, encontrava na danada da birosca.

De queijo, passando por lingüiça e torresmo, até peças para BMW, Ferrari e Boeing 737. Era incrível!

Um carioca ficou sabendo da birosca e entrou numa de sacanear o mineiro.

Embarcou então pra Minas e se dirigiu para a birosca.

Ocorreu então a seguinte conversa:

– Aí meu chapa, ouvi dizer que nesta birosca tem de tudo!

– Pois é, tem umas coizinhas sim sinhô …

-Tem PODELA?

O mineiro, meio surpreso :

– Hoje eu num tenho não, mas, se o Sinhô passá aqui amanhã, eu vou tê…

– Legal, então amanhã eu passo aqui.

O carioca saiu deixando o mineiro encafifado.

Não era pra menos, o carioca havia inventando a palavra PODELA lá na hora, só pra sacanear o botequeiro.

– Podela, podela, podela, quetrem é isso sô? – pensou o mineiro.

No final da tarde, fechou a biroscae saiu a andar e perguntar se alguém sabia oque era podela, mas, ninguém sabia.

Com medo de que sua birosca perdesse a fama, o mineiro desesperado foi para casa, tomou umas pingas, comeu uma tremenda feijoada com torresmo e chouriço, e fechou com uma bela sobremesa de doce de batata-doce.

Acordou de madrugada com uma tremenda dor de barriga, foi no banheiro e mandou aquele barro que nem ele conseguia aguentar o cheiro.

Colocou aquela coisa num forno bem quente e, após algumas horas, tirou do forno já bem seco e moeu até virar pó e a empacotou.

Amanhecendo o dia, pegou o pacote e foi pra birosca. Pouco depois chegou o carioca louco para ver a cara do mineiro dizendo que não tinha sua encomenda.

– E aí mineiro, conseguiu a minha encomenda?
– Consigui sim sinhô, tá aqui, o sinhô da uma provadinha só prá vê si tá certo.
O carioca cabreiríssimo:

-Tá legal, me dá aí, e puto da vida, encheu a mão daquele pó colocou na boca e disse:

-Pô, meu irmão, isto aqui é merda!

MINEIRO:
– Merda não, sinhô! É o “PÓ DELA”.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 16/11/2010 em Sopa de Tudão

 

Tags: , , ,

Médico Fofoqueiro

O mineirim Zé caipira lá di Berlandia entrou no consultório e meio sem jeito foi falando:
– Dotô, o trem não sobe mais. Já tomei de tudo quanto há de pranta, mas não sobe mais mêsm.
– Ah não, meu amigo Zé. Vou te passar um medicamento que vai deixar você novo em folha. São cinquenta comprimidos, um por dia.
– Mas dotô, eu sou um homi simples da roça. Só sei contar té dez nos dedo e mais nada, uai.
– Então você vai numa papelaria, compra um caderno de cinquenta folhas. Cada folha que você arrancar por dia tome um comprimido. Quando o caderno acabar você já vai estar curado. A receita está aqui.
– Brigado dotô. Vou agora mesmo comprar essi tar di caderno.
E logo que saiu do prédio o Zé Caipira avistou de fato uma papelaria ali perto. Entrou, a moça veio atender.
– Moça, eu precisava de um caderno de cinquenta fôia.
– Brochura?… .. perguntou a moça
– Médiquim fí da puta. Já telefonô pra espaiá meu pobrema!

 
Deixe um comentário

Publicado por em 26/10/2010 em Humor, Sopa de Tudão

 

Tags: , , ,

O verdadeiro significado de “Amigo da Onça”….

O verdadeiro significado de “Amigo da Onça”….

 

 
Deixe um comentário

Publicado por em 21/10/2010 em Humor, Sopa de Tudão

 

Tags: , , ,

 
%d blogueiros gostam disto: